SEJA BEM-VINDO AO SUPERFANTÁSTICO - INFÂNCIA DE OURO!

Mais que uma viagem no tempo, este blog é um resgate dos melhores momentos da nossa inância, seja ela dos anos 70, 80, 90, 00... Aqui encontraremos os melhores sucessos de nossas festas, os discos de vinil já remasterizados, além de algumas raridades que só serão encontradas aqui. Aproveito para agradecer aos blogs Musicas Infatis 80, Infância 80, Cantos & Encantos, e Letras do Trem que me serviram de inspiração e algumas fontes. Ao passar por esse blog, não deixe de registrar seu pedido!

sábado, 1 de maio de 2010

CHAVES

El Chavo del Ocho (Chaves no Brasil) é uma famosa comédia de televisão mexicana exibida originalmente entre 20 de junho de 1971 e janeiro de 1992. A série foi criada e estrelada pelo dramaturgo Roberto Gómez Bolaños, que também produziu a série ao lado de Enrique Segoviano, nos estúdios da rede de televisão mexicana Televisa. Foi exibido e reprisado originalmente no Brasil pelo SBT, com hiatos até os dias de hoje com cortes. Na América Latina, a música-tema foi The elephant never forgets (O elefante nunca se esquece, traduzido em português), versão lúdica de As Ruínas de Atenas, obra de Ludwig van Beethoven. Ela alcançou fama notória, depois de ter sido modificado em 1967 por Jean-Jacques Perrey(nascido em 1929) e Gershon Kingsley(em 1922), que são pioneiros no campo da música eletrônica.


Com um humor que explora situações do dia a dia e mal entendidos cômicos com uma ótica otimista, a série mostra o garoto Chaves no cenário de uma vila da periferia de uma grande cidade, o abismo social entre vizinhos, a fome e o desamparo das crianças de rua, e a relação entre vários âmbitos sociais. Diferente de todas as séries de humor de atualmente, a série não faz uma apologia a sexo ou drogas.


O programa começou em 1968, depois que seu protagonista, Chaves, apareceu junto com outra personagem, a Chiquinha, em um curta-metragem durante outro programa de televisão popular no México. A princípio se dirigia a um público maduro, mas se mostrou extremamente bem-sucedido entre as crianças mexicanas, e então decidiu-se "redirecionar" o programa para o público em geral, sem restrições. O nome "El Chavo del Ocho" é uma referência à emissora de TV que o produzia originalmente que era no Canal 8. Depois, a emissora se uniu a uma outra formando a Televisa, e o "8" passou a ser a suposta casa do Chaves.


Roberto Gómez Bolaños, o Chespirito, foi o criador principal e a estrela do programa, Chaves. Chamou Florinda Meza García para atuar no seriado, a Dona Florinda; Chespirito e Meza iniciaram um relacionamento em 1978 (que dura até hoje). Edgar Vivár foi o segundo ator a entrar para o programa. Chespirito contratou Ramón Valdés porque o havia conhecido há muitos anos; Valdés, irmão de Tin-Tan e tio de Cristian Castro, havia feito vários filmes que viu. Rubén Aguirre foi conduzido ao posto de "professor" no programa, o Professor Girafales ou Mestre Linguiça. Aguirre e Chespirito trabalharam juntos por anos. Carlos Villagrán era somente um fotógrafo amigo de Aguirre e foi a uma festa feita por ele. Villagrán deu um passo para a comédia ao inflar suas bochechas além do normal, e Aguirre contou a Bolaños sobre o talento oculto de seu amigo. Villagrán foi contratado rapidamente para o programa. María Antonieta de las Nieves era uma atriz que só havia usado a voz para anúncios da Televisa. Ao ouvir sua voz, Bolaños pensou que era perfeita para o programa. Os últimos a unirem-se ao programa foram Angelines Fernández, uma antiga atriz de telenovelas, e Horacio Gómez Bolaños, o irmão de Chespirito, que nunca antes havia considerado a atuação; originalmente só ia supervisionar o programa.


Na América Latina esse tema alcançou fama notória, depois de ter sido modificado por Jean-Jacques Perrey e mais tarde usada como tema de abertura para o grande sucesso da comédia de TV mexicana, El Chavo del Ocho.
O programa foi tão popular em outras partes da América Latina e entre as pessoas que falavam espanhol nos Estados Unidos, que em países como Peru, outros programas onde apareciam os atores de Chaves começaram a ser transmitidos. Na Argentina, Rubén Aguirre fez muito sucesso interpretando seu personagem em um circo, e em Porto Rico, muitas das frases de Chaves se converteram em parte do diálogo cotidiano. Nos Estados Unidos, o programa ainda é transmitido pela Galavisión.


No início de 1973, o Telesistema Mexicano e TIM se fundiram para se tornar a Televisa. Após a fusão, El Chavo del Ocho(conhecido como Chaves no Brasil) tornou-se uma série de TV semanal com duração de meia hora.


Os primeiros shows foram compostos de um sketch no início, com Dr. Chapatin,El Chómpiras, ou um dos outros personagens de Chespirito, e dois curtos episódios do personagem principal. Esses episódios foram realmente esboços filmados em 1972, que provavelmente deveriam pertencer ao show Chespirito que foi cancelado. Depois de alguns episódios que se introduziram os primeiros anos do show, o show começou a ser formado por um episódio quase meia hora precedido por um sketch estrelado pelos personagens estrelados por Chespirito como a estrutura do primeiro show.


No final da primeira temporada, Maria Antonieta de las Nieves deixou o show para cuidar seu bebê recém-nascido. Durante os episódios da temporada de 1973, incluindo os que provavelmente foram filmados em 1972, observou-se em De Las Nieves geralmente atuava os papéis femininos e foi a primeiro atriz creditada após Chespirito. Com sua ausência, Florinda Meza assumiu o papel feminino nos esquetes, e Chaves e Quico passaram a ser um grande par cômico.


A temporada de 1974 começou com Chaves e Quico como personagens infantis, incluindo Don Ramón(Seu Madruga) como o personagem adulto carismático. Durante essa época, as cenas na sala de aula começaram a aparecer, juntamente com outros personagens infantis como o Ñoño (o filho do Sr. Barriga, aportuguesado como Nhonho) e o descontraído Godinez (personificado por Horacio Gómez Bolaños, irmão de Chespirito).


De las Nieves que havia saido passado, voltou para a série em 1975. Depois de Valdés e Villagrán deixarem a série, ela foi teve o maior faturamento superior após Chespirito novamente. Agora com uma hora de duração, no programa "Chespirito", De las Nieves era freqüentemente dada em terceiro lugar em faturamento atrás de Chespirito e Florinda Meza se interpretasse outro personagem além de Chiquinha, caso contrário, ela sempre tinha crédito final especial.


Quando Carlos Villagrán deixou o show, foi explicado que Quico tinha ido morar com sua madrinha. "Ele não agüentava mais a gentalha", Dona Florinda explicou. Pouco tempo depois, Ramón Valdés também deixou a série, Chiquinha explicou que Don Ramón(Seu Madruga) saiu do país para procurar emprego no estrangeiro, e ele não voltaria até que ele ficasse milionário. A série semanalEl Chavofoi cancelada pela Televisa em 1980.


A partir de 1980, "Chespirito" foi ao ar novamente, com Chaves, Chapolin e algumas reformas. A estréia de Chaves neste novo programa teve riqueza em novos episódios produzidos. Além disso, em 1981, Valdés voltou para o elenco, depois de estrelar em alguns shows ao lado de Villagrán. No entanto, ele deixou novamente no final do ano.


No final dos anos 1980 e início de 1990, o número de novos episódios começaram a diminuir, uma vez mais, muitos dos primeiros episódios foram refeitos. Além disso, como Chespirito envelhecia, ele deixou de ser considerada apto para desempenhar o papel de um garoto de 8 anos de idade. Como resultado, a produção de Chaves foi interrompida em 1992, três anos antes do cancelamento de "Chespirito".


Detentora do recorde de tempo no ar desde a sua criação, que soma mais de três décadas, é reprisada exaustivamente em vários canais da América Latina e conta com uma legião fiel de fãs que, graças ao caráter familiar do seriado, vão do tele-espectador médio , que se diverte só com as cenas de queda e bolo na cara, à audiência cult, apreciadora dos diálogos e que cresceu assistindo ao programa. Um dos traços mais marcantes na série inteira é o fato dos personagens, incluindo os infantis, serem representados por adultos.


No Brasil, a história do seriado começa com o nascimento da TVS, que depois viria a se chamar Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), a emissora de Sílvio Santos. Sem muitos recursos na época para preencher a grade de horários, Sílvio optou pela parceria com a televisão mexicana. Importar atrações como telenovelas, séries e filmes do México era barato e trazia bons resultados. Eis que chegava um lote de novelas da Televisa que foram dubladas pela Maga, em parceria com o SBT. Todo o lote foi dublado, e Chaves, então desconhecido, veio junto, num lote de aproximadamente oitenta episódios, que foram dublados e apresentados ao dono do SBT. A atração tinha reprovação dos homens de confiança de Sílvio. Contudo, ele contrariou sua equipe e exibiu o seriado como teste no programa do palhaço Bozo, em 1984, alternando com o seriado Chapolin Colorado. A série se tornou um sucesso, tendo por vezes a maior audiência do SBT segundo o IBOPE, conseguindo vencer por várias vezes a Rede Globo. A partir de 1988 começou a ser exibido em horário nobre. Seu maior pico de audiência foi de 36 pontos, em 1990.


A partir de 2006, as emissoras de televisão Ulbra TV e TV Litoral também começaram a exibir Chaves, o que causou duas polêmicas entre os fãs da série. A primeira é que provavelmente as duas emissoras não têm os direitos autorais de exibição, pois o único a ter no Brasil é o SBT, e a segunda polêmica é que os episódios exibidos em ambas emissoras não são os mesmos que o SBT exibe, e sim os episódios dos DVDs vendidos pela Amazonas Filmes. Além disso, as emissoras exibem em grande parte episódios até então sem conhecimento de exibição pelo SBT.


Desde sua chegada ao Brasil em 1984, o seriado vinha sendo reprisado, até que episódios novos apareceram em 1988. E posteriormente, em 1990 e 1992, os últimos lotes de episódios foram comprados pelo SBT, logicamente, só com capítulos da fase até 1979/1980, que foi quando acabou "Chaves" como sitcom própria. Alguns desses episódios foram exibidos apenas uma vez nessa época e/ou deixaram de ser exibidos, não voltando até os dias atuais, e são chamados de episódios perdidos. Discute-se muito no que se refere às fitas terem se perdido ou reutilizadas. Existem duas teorias principais para explicar esse fato:

A primeira é que, quando os episódios chegaram ao Brasil, vinham aos pedaços, obrigando a equipe de dubladores e editores que prepararam a série para o Brasil a montar todos os episódios. Ao final das montagens, sobravam partes de episódios e, inclusive, vinhetas de propagandas, que foram também dubladas. Foram exibidas em alguns especiais do SBT, dando a impressão de que a emissora possui esses episódios. Este detalhe também explica porque episódios como "O festival da boa vizinhança", "A venda da vila" e "Um astro cai na vila" que ainda podem ser assistidos, estão incompletos, faltando para os dois primeiros a última parte, e para o último, a primeira parte. Também é considerável o episódio "O cãozinho do Quico", composto de três partes, teve sua dublagem inicial substituída por outra, em que a terceira parte já não era mais anunciada. Entretanto, no último dia 14 de fevereiro de 2008, às 05:30, o SBT exibiu essa terceira parte, até então nunca exibida na emissora, mas lançada em DVD pela Imagem Filmes com dublagem original e exibido de modo aparentemente ilegal pela Ulbra TV.


A segunda explicação é mais hipotética: quando o programa foi produzido no México, foi usada uma tecnologia de edição muito antiga: efeitos de sobreposição de imagens primitivo, áudio separado em cartucho e filme de baixa qualidade. Alguns episódios que deixaram de ser exibidos, devem ter tido problemas, como defeito no cartucho de áudio da dublagem (para isso, alguns episódios tiveram de ser redublados), ou mesmo danificações no filme (em alguns, a imagem danificada é substituída por outra do mesmo episódio, ou, muito raramente, de outros).


Novas temporadas de Chaves seriam adquiridas pelo SBT mais adiante. No entanto, não obtiveram o mesmo sucesso das primeiras. Uma das prováveis teorias para o fato diz que a causa está relacionada aos dubladores antigos do seriado. O dublador do personagem Chaves, Marcelo Gastaldi, faleceu em 1995. Ele, junto ao dublador de Quico, Nelson Machado, seriam responsáveis parciais pelo sucesso do seriado mexicano no Brasil, pois, como tradutores do seriado, buscaram sempre preservar o sentido e o humor das piadas originais. Além disso, de maneira original, teriam conseguido traduzir com fidelidade a maior parte das músicas compostas por Chespirito. Também transformaram a História do México em História do Brasil nos episódios de escola.

O programa chegou a ser retirado da programação do SBT no ano de 2003 após 19 anos no ar, mas em apenas um mês logo voltou, devido em parte ao grande número de fãs, e com uma novidade: o retorno de alguns episódios não exibidos desde 1992.

Em 2003, Chaves foi vendido em VHS e a revista TV y Novelas começou a oferecê-los como parte de seus pacotes de assinatura. Em 2005 foi lançado pela Imagem Filmes o DVD O Melhor do Chaves, que contou com cinco episódios em dublagem original da Maga. No mesmo ano, a Amazonas Filmes lançou o primeiro de uma série de boxes de DVDs. São três DVDs por caixa, sendo sempre um para Chaves, outro para Chapolin e mais um para Chespirito. Os episódios, em sua maioria inéditos, foram dublados pelo Estúdio Gábia e contou com o apoio do Fã-Clube Chespirito Brasil na adaptação dos textos. Até o momento, oito boxes de CH e um de Kiko já foram lançados.


Chespirito estabeleceu batalhas legais com os antigos atores de Chaves para evitar que usem os personagens do programa sem o seu consentimento. Essa é uma das razões pelas quais Villagrán utiliza o nome "Kiko", já que Chespirito tem direitos autorais apenas por "Quico". Também já usou o nome de Frederico, em um seriado solo.

Em 2002, Bolaños tentou mover uma ação judicial contra a atriz María Antonieta de las Nieves, pedindo o cancelamento da licença que a atriz tinha para fazer uso da imagem da personagem Chiquinha. A atriz, após o fim do programa, ainda encarnava a personagem no circo e no teatro. Quando a atriz recebeu a ação das mãos do oficial de Justiça, tomou um susto tão grande que teve um princípio de infarto e foi internada às pressas.

Depois que teve alta, María Antonieta entrou com um recurso e ganhou a causa, e continua fazendo uso da imagem de sua personagem. No entanto, esse incidente acabou afetando sua relação com Bolaños, pois ela nunca o perdoou por isso, e nunca mais os dois se falaram. Isso explica a ausência da personagem Chiquinha (Chilindrina) na versão animada do seriado.


Elenco e personagens:

Ator Personagem (Português e Espanhol)
Roberto Gómez Bolaños Chaves / Chavo
Ramón Valdés Seu Madruga /Don Ramón
Florinda Meza Dona Florinda /Florinda
Pópis / Pópis
María Antonieta de las Nieves Chiquinha / Chilindrina
Dona Neves / Nieves
Carlos Villagrán Quico / Quico
Edgar Vivar Sr. Barriga / Barriga
Nhonho / Ñoño
Rubén Aguirre Prof. Girafales / Jirafales
Angelines Fernández Bruxa do 71 (Dona Clotilde) / Cleotilde
Raúl Padilla Jaiminho / Jaimito
Rosita Bouchot
Ana Lilian de la Macorra
Verónica Fernández Paty / Paty
Horacio Gómez Bolaños Godinez / Godinez
Olivia Leiva
Regina Torné
Maribel Fernández Glória / Glória
José Luis Amaro Policial / Policía
Abraham Stavans Freguês do Restaurante / Cliente del Restaurant
Ricardo de Pascual Seu Furtado / Hurtado
Garçom do Restaurante
Carequinha que compra a vila
María Luisa Alcalá Malicha(Malu na versão Maga) / Malicha
Marta Zabaleta Elizabeth / Elizabeth
Ángel Roldan Cândida / Cândida
Janet Arceo Dona Edwiges / Edviges
Germán Robles Seu Madróga / Róman
Pablo Rodríguez Higino / Higino
Angélica María Iara / Iara

No seu auge de popularidade, Chaves, em mais de 90 países, em meados dos anos 1970, teve audiência mundial estimada em 350 milhões os telespectadores, e foi o show mais assistido na televisão mexicana. Obteve popularidade inclusive no Brasil apesar das reprises do seriado, sempre foi um ponto forte do SBT por conseguir alavancar a audiência dos horários que estão em baixa.
 
O nome original de Chaves em espanhol é "El Chavo". A palavra "chavo" é uma gíria que, no México, significa "menino", "garoto" ou "moleque". Também pode ser usada no feminino, como "chava", para se referir a uma menina. Mas como no Brasil esse termo não existia, e o nome "Chavo" soaria estranho na dublagem em português, o personagem ganhou o nome de "Chaves" na dublagem brasileira, por ser um sobrenome bastante comum. Na série original os moradores da vila sempre chamam o Chaves de "el Chavo" e nunca dizem o verdadeiro nome. Por isso, em várias cenas, quando o Quico ou a Chiquinha perguntam qual é o nome do Chaves, a resposta dele sempre é interrompida por outra pessoa que aparece falando ao mesmo tempo. Na dublagem em português, essas cenas perdem um pouco do sentido, devido à existência do nome do Chaves. Na canção "Que Bonita Vecindad" (mais tarde traduzida como "Que Bonita Sua Roupa") tem um verso em que o Chaves faz suspense quando vai dizer o seu nome, mas acaba não dizendo: "Mi nombre es… el Chavo / Toda mi ropa es un autentico remiendo". O verso foi adaptado como "Eu sou o famoso Chaves / Todos dizem que minha roupa é remendada".

O seriado também foi dublado em italiano, sob o nome "Il Cecco della Botte" (literalmente, "O Chaves do Barril"). O nome das personagens eram: Cecco (Chaves), Chicco (Quico), Signore Bartolomeo (Seu Madruga), Florinda (Dona Florinda), Chiquirita (Chiquinha), Prof. Cacciapalle (Professor Girafales) e La Strega del 71 (Bruxa do 71).

Um dos principais fatores do sucesso de "Chaves" e "Chapolin" no Brasil, foi a excelente dublagem feita pelo estúdio Maga. As vozes dos atores escolhidos para dublar os personagens ficaram perfeitas, já que é comum a perda de um pouco da comidicidade original durante este processo.

Em 1991, a Editora Globo publicou mais de 56 gibis do Chaves. Porém, alguns personagens apareceram diferentes: Nhonho ficou loiro (no seriado o cabelo era preto), a roupa de Dona Clotilde ficou roxa em vez de azul, e o terno preto do Quico passou a ser azul. Pópis, por sua vez, parece ser confundida com Patty. Apesar de no gibi a sobrinha de Glória ter características da sobrinha de Dona Florinda (como o vestido rosa, a boneca Serafina e o seu próprio nome), Pópis tinha o cabelo parecido com o de Patty no seriado (porém loiro). Assim como Paty no seriado, Pópis nos gibis chamava muito pela tia quando era incomodada, em vez de dizer "Conta tudo pra sua mãe". Também nos gibis, tanto o Chaves quanto o Quico se mostravam apaixonados por ela em algumas histórias.


O carro de Seu Barriga, que aparece em alguns episódios, é uma Volkswagen Brasília,modelo de fabricação brasileira mas que também foi fabricado no México.

No episódio "Vamos ao cinema?", uma das frases mais clássicas do seriado é dita por Chaves: "Seria melhor ter ido ver o Pelé". No original, o filme que vão assistir é El Chanfle, estrelado pelo elenco do seriado e que fala justamente de futebol.

Em 1978, foram rodados os últimos episódios em que o Quico aparece. O último episódio que Carlos Villagrán gravou como Quico foi "Aula de primeiros socorros". A saga de Acapulco, gravada em 1977, só foi exibida em 1979. Os episódios de Acapulco foram os últimos episódios exibidos no México, com a presença do Quico. Com a canção "Boa Noite Vizinhança", tocada no último episódio de Acapulco, Quico se despediu da série. A canção não é uma espécie de homenagem de Chespirito a Villagrán, ao contrário do que muitos pensam.


Tangamandápio, o local onde o carteiro Jaiminho nasceu, existe de verdade e é uma pequena cidade mexicana localizada no noroeste do estado de Michoacán.

Seu Madruga, apesar de estar sempre desempregado, já desempenhou as mais diferentes profissões: vendedor de churros, vendedor de balões, entregador de lenha, treinador de futebol americano, fotógrafo, carpinteiro, leiteiro, professor, pintor, sapateiro, barbeiro, mecânico, lutador de boxe, vendedor de artigos usados ("velho do saco"), empresário artístico, jornaleiro, cabeleireiro e mestre de obras.

No episódio "Seu Madruga Leiteiro", Quico brinca com uma nave de astronauta que Chaves a confunde com uma garrafa de leite. Trata-se de um brinquedo da nave soviética Vostok I, tripulada por Yuri Gagarin, primeiro homem a ir ao espaço, em 1961.

Roberto Bolaños mostra uma realidade de sua vida: é fã do ex-jogador de futebol Pelé, o qual seu personagem também é fã.


Em um episódio, Seu Madruga faz referência a uma convenção de bruxas na cidade colombiana de Bogotá, perguntando se a Dona Clotilde não havia voltado de lá. Esta convenção existiu realmente: ocorreu em 1977. A escritora brasileira Clarice Lispector participou do evento como convidada.
O ex-jogador Hugo Sánchez (maior ídolo do futebol mexicano) foi apelidado pela torcida de "El Chavo Del 9", em referência a série de TV. Sánchez participou das copas de 1978 na Argentina, de 1986 no México e de 1994, nos Estados Unidos.

Chaves mora no apartamento nº 8. Mora de favor, pois Seu Barriga não cobra aluguel para o menino não morar na rua e nem no barril. O nome da série, porém, nada tem a ver com o apartamento de Chaves, e sim pelo fato de a série ser exibida no canal 8 de televisão do México. Ainda assim, o fato passou para a série na forma do número do apartamento de Chaves.

O personagem Héctor Bonilla é representado por ele mesmo. Ele é um ator mexicano, de grande prestígio e sucesso por lá. Apareceu na vila no episódio "Um Astro Cai Na Vila", em que todas as mulheres (Chiquinha, Dona Clotilde e até Dona Florinda) ficaram encantadas por ele. O episódio tem duas partes, mas a primeira jamais foi exibida no Brasil.


 Quanto à passagem para o segundo pátio, situada entre as casas da Bruxa do 71 e do Seu Madruga, há duas diferenças. Em alguns episódios (como "O Belo Adormecido"), quando a câmera direciona o outro pátio, a passagem é direta. Em outros (como "A Galinha da Vizinha é Mais Gorda do Que a Minha"), há a janela do quarto da Chiquinha, fazendo com que os personagens andassem mais para chegar a este pátio.

No episódio Vamos ao Cinema, Dona Florinda diz que o Quico vai morar com a madrinha rica dele. Esta desculpa foi inventada por ela, porque Carlos Villagrán já estava fora do seriado em 1979 (ano em que foi gravado o episódio).

O episódio em que Chiquinha vai visitar as tias em Presidente Prudente foi improvisado pela produção. Boatos da época diziam que a atriz María Antonieta de las Nieves ficou grávida e precisou se ausentar das gravações, e é possível notar em alguns episódios que a personagem aparentava uma gravidez.


Em 1988, Ramón Valdés morre. Entretanto, ao contrário do que muitos acreditam, esta não foi a causa da saída de Seu Madruga da série. Ele saiu em 1979 e voltou no Programa Chespirito em 1981, fazendo poucos episódios antes de sua saída definitiva. Uns dizem que o motivo da saída de Seu Madruga foram problemas de saúde. Outros alegam que ele seguiu Carlos Villagrán, participando do programa "Ah, que Kiko!". Em resposta à saída de Ramón, Bolaños deu mais notoriedade a personagens secundários como: Dona Neves (convertida em personagem permanente para tapar a lacuna deixada por Quico e Seu Madruga, interpretada por Maria Antonieta), Jaiminho (criado para o mesmo propósito), Nhonho (interpretado por Edgar Vivar, o mesmo intérprete do Seu Barriga) e Pópis (Interpretada por Florinda Meza).

Um dos maiores erros da numeração das casas da vila foi a inversão de números. Normalmente, os números das casas são: 14 (Dona Florinda), 71 (Bruxa do 71, obviamente) e 72 (Seu Madruga). Em alguns episódios, como "O Dia de São Valentim" e "Vamos Ao Cinema?", o número da casa de Dona Florinda era 24, e em outros episódios chegou a ser 42. Quanto à Bruxa do 71: o número de sua casa já foi 73 e também 14 (apenas por uma cena). Finalmente, a casa de Seu Madruga chegou a ter o número 14, no episódio que o Chaves foi mordido por um cachorro. Em um episódio, era o primeiro da série, Seu Madruga morava no 14. Nessa época, Quico já teria se despedido do seriado.


Os atores Florinda Meza, María Antonieta de Las Nieves, Edgar Vivar, Ricardo de Pascual e Abraham Stavans ganharam personagens duplos no seriado. María Antonieta interpretou Chiquinha e Dona Neves. Florinda interpretou Dona Florinda e Pópis. Edgar interpretou Seu Barriga e Nhonho. Ricardo interpretou Senhor Furtado e Senhor Carequinha/Senhor Calvillo e o Garçom do Restaurante, e Abraham Stavans interpretou o Freguês do Restaurante e o Dono do Parque. Nota: Ricardo de Pascual e Abraham Stavans não precisavam fazer trabalhos duplicados como María Antonieta, Florinda e Edgar.

Uma das versões da Patty, que rivaliza com Chiquinha, foi vivida por Veronica Fernandez, filha de María Antonieta de las Nieves. A versão mais conhecida no Brasil da Paty foi vivida por Ana Lilian de La Macorra.
Com a "partida" de Seu Madruga, Dona Florinda passou a ser uma mulher mais calma. Quando estava irritada, ela descontava nas crianças da vila.

O seriado sofreu grande decadência depois da saída de Ramón Valdés. A alegria parecia dar lugar à tristeza: a audiência caiu e nem os personagens primários e secundários conseguiram tapar o buraco deixado por Ramón Valdés e Carlos Villagrán, até seu fim definitivo, em 1992.

Os episódios da Cruz Vermelha, do Quico doente e da chegada de Dona Neves tiveram os menores elencos: 4 atores.

Em "Uma ajuda para a Cruz Vermelha", houve 4 atores e 6 personagens: Roberto Gomez Bolaños (Chaves), María Antonieta de Las Nieves (Chiquinha e Dona Neves), Edgar Vivar (Seu Barriga e Nhonho), e Florinda Meza (Dona Florinda).

Na chegada de Dona Neves ("Nasce uma bisavó") teve 5 personagens: Bolaños (Chaves), María Antonieta (Chiquinha e Dona Neves), Florinda e Raúl Padilla (Jaiminho).

No episódio com o Quico doente, 4 personagens: Bolaños, Florinda, Carlos Villagrán e María Antonieta.


Na vila do Chaves, de todos os apartamentos da vila, o que foi mais ocupado era o apartamento 23, na escada. Primeiro, ocupado por Glória e Paty, que o deixaram por motivos desconhecidos. Em segundo lugar, por Dona Edwiges, a "louca da escada", que se mudou também por razões desconhecidas. Depois disso, Glória e Paty retornam aquela casa no alto das escadas (mas elas já eram outras). Depois elas foram embora. Finalmente, foi ocupado por Jaiminho, o Carteiro, que ficou como inquilino permanente até o fim do seriado. O apartamento de Glória e Paty também teve o número 24.
Quico tem duas formas diferentes de escrita de seu nome (o nome verdadeiro do personagem é Frederico, o mesmo de seu pai). No episódio da venda de refrescos, seu quiosque tinha o nome "Super de Quico". No episódio "O Vendedor de Balões", Chiquinha diz a Chaves que seu pai tem um grande cliente chamado "K" "I" "K" "O".

O nome do Professor Girafales também tem outra forma de escrita: pode ser escrito com J (Jirafales). No episódio "Bilhetes Trocados", o nome é grafado com J, no bilhete.


Carlos Villagrán também interpretou Frederico, o pai de Quico. No episódio "O Despejo do Seu Madruga", em que Dona Florinda olha as fotografias, acontece um flashback em que Frederico se despede de Florinda. Percebe-se que Quico herdou os mesmos trejeitos do pai, inclusive o "cale-se, cale-se, cale-se, você me deixa louco!".

Com a saída da Chiquinha em 1973/1974, o Quico ganhou muito destaque. Nos fins do anos 1978, quando ele sai, aconteceu o inverso: Chiquinha passou a ocupar seu destaque.

No episódio O dia das crianças, no início da música, Chaves cita o Mickey Mouse da Disney. Chaves usa até as orelhinhas do ratinho no clipe. Há também outra referência ao Mickey no seriado. Em alguns episódios, a bola do Quico tem um desenho do Mickey.



No seriado, já foram citadas várias celebridades, mas as mais conhecidas são:Maitê Proença, Xuxa, Pelé, Dom Pedro I, Hector Bonilla (que apareceu em um episódio), Maradona, Cristóvão Colombo, Hugo Hoyama (nos DVD's), Luís Pereira e Rodolfo Rodriguez.

Mesmo levando cascudos do Seu Madruga, Chaves demonstra afeição especial por ele. Isso faz com que Chaves, carente de uma figura paterna, veja em Seu Madruga uma forma de corresponder este sentimento. No episódio "O Aniversário de Seu Madruga", Chaves mostra esta afeição defendendo Seu Madruga de Chiquinha e Quico, pensando que os dois iriam matar o homem. Ao final do episódio, o engano é esclarecido: tratava-se de um frango que Chiquinha queria preparar para o aniversário do pai. Mesmo assim, Chaves persegue Chiquinha e Quico. Além desse episódio, em um outro, onde o Quico fazia aniversário e a festa era feita na casa dele mesmo, o Chaves pegava "escondido" (na verdade, na frente do Quico e Dona Florinda) pedaços de bolo e os guardava em seu bolso. A princípio se pensa que a comida é para ele, mas ao final do episódio, ele reparte o que pegou com o Seu Madruga à noite; ambos jantam juntos, dividindo comida e refrescos na ocasião.

No episódio "A Catapora da Chiquinha", Seu Barriga diz a Seu Madruga que vai examinar a Chiquinha, por ter sido médico. Na vida real, o ator Edgar Vivar era médico, antes de entrar para o seriado.
Apesar de sempre ser chamada de feia pelas crianças da vila, Angelines Fernández era uma das mulheres mais bonitas do México. Na verdade, a atriz era espanhola.
Na versão original a voz de Quico era mais rosnada (rrrrrrrr), como se ele tivesse a língua presa. Isso se deve ao fato de que Carlos Villagrán não podia pronunciar algumas palavras muito bem enquanto estava com suas bochechas infladas. Exemplo: quando ele falava "Chilindrina", ele dizia algo como: "Chiindina" ou "Chindina". Na dublagem brasileira, Quico não tem essa característica (este rosnado aparece apenas quando ele chora: arrrrrrrrr).

Apesar de ter seu primeiro episódio exibido somente em 1971, a formação do elenco e o início das gravações tiveram início em 1969.
Maria Antonieta de Las Nieves, além de atriz, também é dubladora. No desenvolvimento do seriado, ela foi escolhida por Chespirito para fazer o papel de Chiquinha por sua belíssima voz. Ela era conhecida apenas pela voz em propagandas e vinhetas da Televisa.
Algumas frases de Seu Madruga ficaram bastante conhecidas, como: "A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena" e "As pessoas boas devem amar seus inimigos".
Angelines Fernández, Germán Robles e Angélica María (que fez a Iara no episódio Aula de História) são as únicas que não nasceram no México. Angelines e Germán são de origem espanhola: ambos nasceram em Madri, na Espanha. Angélica María nasceu em Nova Orleans, nos Estados Unidos. Além disso, Angelines foi a única do elenco que nasceu na Europa, não na América do Norte.

No episódio "O estouro do Nhonho" do box 8 dos DVDs do Chaves, é possível ver uns latões no alto da casa de Dona Florinda, e ao lado onde mora Glória e Paty.
Quando Seu Madruga saiu da casa de Dona Florinda para vender churros e pediu para as crianças não gozarem dele, a casa de Dona Florinda se transforma num fundo preto. Isto acontece devido a inexistência da parede ali. Motivo: Nunca se viu aquele ângulo em nenhum episódio.
Em um episódio que é inédito no Brasil, Dona Neves sai da vila para fugir de Seu Barriga, que estava atrás dela. Então, ela foge para um lugar que nunca apareceu no seriado, talvez uma avenida, ou uma rua próxima a vila. Esta rua nunca foi vista em nenhum episódio, exceto este.

Há dois episódios em que o Seu Madruga usa uma camisa branca: o episódio dos ioiôs e o do bilhete de loteria.
No mesmo episódio, é possível notar também que a rua era bem diferente: Ela não tinha carros passando nela, e só pavimentava pedestres, pois nos episódios de 75, até meados de 78, passava carros, onde Seu Barriga estacionava seu carro. Depois, nas temporadas mais recentes de Chaves, a calçada sumiu.
No seriado, não houve um último episódio (ou seja, um último episódio especial para a série). A série simplesmente parou de ser gravada em 1992, por causa do desgaste da audiência. No entanto, no Chapolin, ao contrário do seriado, houve um último episódio especial. Contou com 4 atores: Bolaños, Meza, Aguirre e Vivar, e foi gravado em 1979. Este episódio é inédito no Brasil. Apesar de ser considerado o último episódio da série, a série não parou de ser gravada. Ela tornou-se um quadro do Programa Chespirito, sendo que a série só realmente acabaria no início da década de 1990.

No Chapolin, também há uma personagem chamada Dona Neves.
Há uma abreviação do nome de Chiquinha. A abreviação é: Chilis, vem de Chilindrina, nome oficial da personagem em espanhol.
De todos os personagens, a Chiquinha foi a que mais mudou de visual, sempre aparecia com roupas diferêntes no decorrer das temporadas.

Na série a casa do Seu Madruga tem o número 72 mas no desenho o número da casa é 10.
No primeiro episódio,a casa da Dona Clotilde era o número 5 em vez de 71.
As BGMs (músicas de fundo que tocam durante a série) do seriado são nada menos que composições famosas de instrumentistas norte-americanos como Pete Winslow, Tony Hymas e John Charles Fiddy e não estão presentes na versão original do programa. Quando a série chegou ao Brasil, a MAGA (atual Marshmallow), estúdio onde foi feita a dublagem da série, não considerou a trilha original da série apropriada para exibição e utilizou LPs antigos, até então engavetados, com gravações de vários artistas norte-americanos. Tal prática foi utilizada também na produção do programa no México; um dos temas de abertura da série foi The Elephants Never Forget, de autoria do compositor francês Jean Jacques Perrey.

Nas dublagens mais antigas,Chiquinha é chamada de Francisquinha, que é o diminutivo do seu nome, Francisca;e Seu Madruga era chamado de " Seu Ramon" referência a Don Ramon nome original.
A música tema dos encontros do Professor Girafales e Dona Florinda é, originalmente, trilha sonora do filme "E o Vento Levou", e se chama "Tema de Tara".

 
No Brasil foram lançados quatro livros com conteúdos relacionados ao seriado:  
  • Chaves: Foi sem Querer Querendo?, o primeiro livro a abordar a série. Possui entrevistas com fãs, atores da série, humoristas consagrados, diretores de televisão, psicanalistas e psicólogos, que explicam o sucesso da série. Entre outras curiosidades, o livro desvenda como foi a chegada das fitas ao Brasil. Escrito pelos jornalistas Luís Joly, Fernando Thuler e Paulo Franco e lançado pela Matrix Editora em 2005.
  • Chaves e Chapolin: Sigam-me os Bons! é a seqüência do primeiro livro de Joly e Thuler, também pela Matrix Editora. Lançado em 2006.
  • O Diário do Chaves, a tradução do livro "El Diario de El Chavo del Ocho", de Roberto Gómez Bolaños, o criador da série. Lançado pela Editora Suma.
  • Chaves de um Sucesso, livro escrito por Pablo Kaschner. Concebido como monografia de conclusão do curso, o livro é tido pelos fãs como o mais completo sobre o assunto. Além de trazer perfis dos atores e dos personagens, curiosidades, história, quiz e exclusivas entrevistas com Roberto Gómez Bolaños (ator que interpreta o Chaves) e Edgar Vivar (Senhor Barriga), o livro aponta as "causas, motivos, razões e circunstâncias" do sucesso desses dois fenômenos da TV: Chaves e Chapolin. Lançado pela Editora Senac Rio em 2007.
  • "Seu Madruga - Vila e Obra" , livro foi lancado, durante o segundo Festival da Boa Vizinhança (com a presença de atores Carlos Villagrán (Quico) e Edgar Vivar (Senhor Barriga)), Foi escrito por Pablo Kashener traz quiz, curiosidades, entrevista com dubladores e fotos inéditas do personagem e da série. Kaschner destaca uma foto em que os atores Carlos Villagrán (Kiko) e Florinda Meza (Dona Florinda) aparecem de braços dados no estúdio. O "livro-homenagem", como o próprio autor descreve, apresenta dados biográficos de Ramón Valdez, ator mexicano que eternizou Seu Madruga, além de uma análise sobre o perfil do personagem. Kashener descreve características de Seu Madruga presentes nos episódios que o apontam como uma espécie de "Macunaíma mexicano", um sujeito pícaro, bajulador, que não paga os alugueis, foge do trabalho e sempre tenta se dar bem. "Talvez por ser um cara tão malandro que ele despertou essa empatia tão grande entre os brasileiros", avalia Kashener sobre o ator, que faleceu no México em 1988, devido a um câncer.


Já foram inventados alguns jogos não oficiais sobre o Chaves:  

  • cs chaves: Mapa para Counter-Strike 1.5 e 1.6 onde terroristas e contra-terroristas estão na vila do seriado, os contra-terroristas tem como missão resgatar os reféns sendo que os terroristas tem que tentar impedir.
  • Street Chaves: É um jogo de luta remontado do jogo de luta Street Fighter. Nesse jogo é possível escolher os principais personagens do seriado Chaves. Você pode relembrar da música da série, personagens e cenários típicos da série, desde o pátio principal da vila até o terreno baldio onde as crianças jogam futebol americano, passando pelo restaurante de Dona Florinda.
  • Super Magro World: Paródia de Super Mario World da Nintendo, mas com seu Madruga como o herói. Seu Madruga tem a missão de salvar as crianças da vila do Chaves que foram seqüestrados pelo Bowser, o inimigo do Mario que sequestrou também a Princesa Toadstool nos principais jogos do encanador. Mas você deve tomar cuidado com os inimigos ao longo do caminho. O jogo foi desenvolvido em homenagem ao ator Ramón Valdéz, e o encanador Super Mário.
  • Codename: Madruga: Jogo de arcarde no estilo Metal Gear, onde a missão do Seu Madruga é resgatar a Chiquinha.
  • Madrugacraft: Paródia do famoso jogo de estratégia Warcraft. Trata-se de um jogo focado no Seu Madruga, que tem que salvar diversos personagens para lutar com Florinda e resgatar o sagrado violão.
  • CastleChiquinha: Paródia do famoso jogo Castlevania onde a Chiquinha tem de enfrentar fantasmas e monstros na vila, o ambiente é baseado no episódio o filme de terror, todos os lugares do seriado são a noite.


Recentemente, foi produzido o desenho animado do Chaves, que foi exibido no Brasil pelo SBT a partir de 1 de janeiro de 2007. Até meados de 2009 já haviam ido ao ar duas temporadas, de 26 episódios cada uma, e uma terceira ainda era inédita no Brasil.

A personagem Chiquinha não aparece, pois María Antonieta de las Nieves, a intérprete original da garota sardenta e da Dona Neves, ganhou na justiça os direitos acerca dos personagens em um processo litigioso contra Roberto Gómez Bolaños. Mas a Chiquinha arranjou três substitutos: Pópis, Nhonho e algumas vezes Quico.
fonte:
http://pt.wikipedia.org

9 comentários:

  1. Adorei o Chaves! Era uma comedia muito engraçada!
    Quando estive na Argentina numa hospedagem Buenos Aires passavam esta comedia pela televisão.

    ResponderExcluir
  2. chaves foi minha infancia e ate hoje fais parte da minha vida.

    ResponderExcluir
  3. Chaves e Chapolim ...Ontem hj e sempre!!!

    ResponderExcluir
  4. Nenhum outro seriado foi tão bem sucedido como o chaves ..eternamente chaves ♥

    ResponderExcluir
  5. Adoroo o Chaves...
    assisto até hj..
    e espero q meus filhos um dia possa assistir tbm...

    ResponderExcluir
  6. Adoro o Chaves!Melhor seriado q ja existiu!sz'

    ResponderExcluir
  7. Muito Bacana,,,Curto Muito o Chaves!!!

    ResponderExcluir
  8. chaves é bom, seu madruga e o kiko são os mais engraçados.

    ResponderExcluir
  9. Show de bola, mas carece atualizações. Não foi incluso na lista de jogos o jogo do Chapolin no castelo do Drácula para Master System.

    ResponderExcluir